Miranda

Filipe

No dia dois de Setembro o meu filho Filipe fez cinco anos. Tínhamos projectado uma Carlota mas o pilas teimou em fazer a desfeita. Ainda bem.

Estava eu a editar a Fotografia do jornal Público quando a Paula me telefonou. Vem buscar-me, as águas rebentaram. Fiquei nervoso e só lhe disse para chamar uma ambulância. Senti medo de não chegar a tempo ao hospital. Eram umas doze horas e afinal o Filipe só conheceu o mundo às cinco e meia. Tive tempo para roer as unhas, perder o carro, atender os telefonemas da sogra e da minha mãe, ver ambulâncias a chegarem e a partirem. No Hospital de Santa Maria os pais ficavam cá fora, junto à porta de entrada. Sem notícias, olhávamos uns para os outros, nervosos, sempre na esperança de ouvir o nosso nome no altifalante, que nos comunicaria o seu filho nasceu,  pode subir.

Lá chegou a hora do Filipe abrir os olhos no mundo, e a minha hora de subir aquelas escadas cremes e usadas para o conhecer. Lembro-me que as pernas não me tremiam tanto quando do nascimento do João. Mas tremiam. Como será ele?

Num corredor quase escuro lá estava. Pequenino, deitado junto da mãe combalida e feliz. Com fome. Olhos fechados procurando a mama. Sorri e chorei.

Cinco anos passados, a casa transbordou de amigos para lhe cantarem os parabéns. O Filipe é expressivo, brincalhão, inteligente, refilão, mas muito, mas mesmo muito, meigo e carinhoso. São bons os seus beijos espontâneos e os seus abraços de Tarzan.

O Filipe é o meu segundo Herói. Sou feliz!

FILIPE