Onze + Adriano Miranda

Escrever sobre mim não é um exercício fácil. Ainda bem. Sou fotógrafo quase por acidente. Quis ser arqueólogo quando todos queriam ser futebolistas ou médicos. Quis ser escultor mas alguém me ensinou a moldar as folhas do Record Rapid grau um, grau dois, grau três, grau quatro e grau cinco mais depressa que partir pedra ou moldar barro. Agora não sei fazer mais nada. Óptimo para a alma, péssimo para a carteira.

Quando dava aulas no AR.CO, a minha escola de eleição, proibia logo na primeira aula os aspirantes a fotógrafos, fotografarem velhinhas com gatos à janela, vasos de flores ou mãos dadas ao pôr-do-sol. Decretava logo morte aos postais. E ainda é assim.

A fotografia não é gira ou bonita. Não é adorno. A fotografia é agressiva e fere. A boa fotografia. Já nos bastou anos a fio dos miseráveis Salões de Arte Fotográfica que invadiam Portugal. Fotografia de regime. Sem pensamento. E agora, cada vez mais é necessária a Fotografia de Intervenção. Aquela que não enfeita mas desmascara. Aquela que nos põe a pensar e muitas vezes a agir.

Quando temos ministros com canudos tipo aprenda inglês em 24 horas ou se suspende a Constituição por um ano, não podemos brincar aos postais.

fotografia de Adriano Miranda

www.121212.pt

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s