Eles Chegaram

 

A cidade é um chão de palavras pisadas

a palavra criança  a palavra segredo.

A cidade é um céu de palavras paradas

a palavra distância e a palavra medo.

 

A cidade é um saco um pulmão que respira

pela palavra água pela palavra brisa.

A cidade é um poro um copo que transpira

pela palavra sangue pela palavra ira.

 

A cidade tem praças de palavras abertas

como estátuas mandadas apear.

A cidade tem ruas de palavras desertas

como jardins mandados arrancar.

 

A palavra sarcasmo é uma rosa rubra.

A palavra silêncio é uma rosa chá.

Não há céu de palavras que a cidade não cubra

não há rua de sons que a palavra não corra

à procura da sombra de uma luz que não há.

 

José Carlos Ary dos Santos

 

A jornalista  muito entusiasmada com o aparato, diz ao microfone, nem na visita do Papa Bento XVI se registou tanta segurança como agora para receber a organização que defende as democracias ocidentais.

Eles mandam. São aos bandos. Eles decidem. Vagueiam pelo mundo como donos. Eles ocupam. Eles impõem. Eles negoceiam. Eles vendem. Eles matam.

Eles têm tudo. Milhões não têm nada.

Lisboa acordou cinzenta. Alerta vermelho em terra, ar e mar. Dominada. Eles chegaram. Opulentos. Gordos. Lisboa é deles. E nas ruas, nos telhados e no céu, fardas apontam olhares e armas. Eles reúnem. Eles riem. Eles discursam e abusam com sarcasmo da palavra democracia. Eles comem.

E no céu de Lisboa, as pombas fogem. Assustadas. Só voltarão segunda-feira. Com céu azul.

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s