Vinte Valores

É a primeira vez que edito no 400asas uma fotografia que não é da minha autoria. Não pela triste atitude do ex-ministro Manuel Pinho, mas pelo brilhante profissionalismo de Nuno Ferreira Santos.

Nuno é meu colega no jornal Público. Foi o único fotojornalista presente no hemiciclo a conseguir fotografar o acto mais triste de Pinho. Todos os outros falharam.

Mas Nuno não se limitou a dar-nos o prazer de ver a sua fotografia. Todas as imagens do destaque do Público [03.07.09] sobre o estado da nação são de uma acutilância extraordinária. Os deputados a verem a fotografia de Nuno na edição on-line do Público. A outra, Sócrates no centro e o Ministro das Finanças de um lado e do outro uma cadeira vazia.

Isto tem um nome, Fotojornalismo. Nuno soube interpretar na perfeição tudo o que se passou naquela sala do parlamento. Atento, astuto, informado, inteligente e rápido. E porque as tecnologias são para se usar, admito o prazer que Nuno sentiu nas bancadas da Assembleia ao fotografar os deputados a verem a fotografia que acabara de fazer. Uma fotografia checkmate. Uma fotografia de morte.

Confesso que senti alegria como colega de Nuno e como fotojornalista do Público. O meu jornal, meu porque gosto demasiado dele, brilhou como sempre nos habituou. Na Fotografia do Público existe uma regra como o sangue que nos corre nas veias. Temos que ser bons e melhores que os outros. Nuno Ferreira Santos foi e com ele fomos todos nós.

E em tempos de crise em que o papel do fotojornalista está seriamente ameaçado dentro das redacções dos jornais, será bom que quem manda, aprenda com os êxitos e perceba que a linguagem fotográfica é imprescindível na força que é informar. Por mais engenharia financeira que se faça para reduzir custos despedindo fotojornalistas, com a ideia medíocre que fotografar qualquer um faz, nada vai valer a pena. O maior custo será a falta de qualidade e notoriedade, a perda de identidade editorial e o definhamento de leitores.

Nuno demonstrou sabiamente que o caminho não é por aí.

Obrigado.

manuel pinho

6 comments

  1. Antes de mais, parabéns ao fotojornalista Nuno Ferreira Santos. Ser o único, não sendo fundamental, marca com certeza o trabalho e enriquece-o.

    Em segundo lugar, O Público é de facto o melhor jornal português, nomeadamente ao nível da fotografia. É o mais arrojado, mas não é por aí que marca a diferença. O Público é o jornal que interpreta melhor o que deve ser um fotojornalista. Se há um jornal em Portugal onde a frase “Uma imagem vale mais que mil palavras” pode ser aplicada, esse jornal é o vosso.

    Por último, o Adriano foi meu professor no AR.CO em 00/01. Marcou-me bastante e tenho desde aí acompanhado o seu trabalho. Gosto muito mesmo. Foi há pouco tempo que descobri este blog e ainda bem que o descobri.

    Parabéns pelo seu trabalho(isto vale o que vale).

  2. imagino o prazer que deve ter sido o pós-foto, o ver os outros dois a ver aquela imagem pouco tempo depois. a velocidade com que a informação corre hoje em dia é assustadora.

    tenho de deixar aqui escrito que me dá um gozo particular ver as fotos que se vão fazendo aos políticos deste país. escolhidas a dedo, todas.. ou se calhar são eles que são escolhidos a dedo!

    a foto do primeiro-min nessa mesma edição do jornal é de guardar no bolso também.

    parabéns pelo blog.
    solidariedade pela causa… pela importância suprema da fotografia nos dias que correm, nos dias de sempre.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s