Coração

Hoje mergulhei no coração do Porto. Entrei em habitações abandonadas mesmo junto à Sé. Labirintos. Lixo, toneladas de lixo. Paredes de pedra. Paredes de tijolo. Rebocos desmaiados com tintas azuis pálido. Um vaso vazio. Plantas no telhado. Umas cuecas. Uma casaco e outro. Imensa roupa encardida. Espelhos. Partidos. Inteiros. Sapatos. Um bico de fogão. Um lavatório. Azulejos às pintinhas. Um candeeiro suspenso.  Uma mesa de cabeceira. Um preservativo. Um cabide. Tanto povo.

adriano-miranda9

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s