25

Tinha oito anos quando vi a minha mãe agarrada ao rádio. O meu pai nunca teve tanta pressa para ver o Telejornal. O meu avô abraçava toda a gente e chorava.

A escola fechou. Quando abriu já podíamos brincar com as meninas no recreio. Cantávamos a Gaivota.

Nunca vi tanta gente junta. Gritavam liberdade. Riam. Estavam felizes. Em cada bolso existia um cravo. Também gritei o povo unido já mais será vencido.

Em casa do meu avô a família não parava de chegar. Abraços. Lágrimas. Champanhe. Eu brincava como sempre entre as pereiras e o pessegueiro. Lembro-me de saber que já não ia para a guerra como o meu tio Adriano.

No sábado regressei à casa onde vi o 25 nascer. A família chegou. Uns já não nos puderam abraçar mas outros novos abraços tivemos. Para que Abril não se esqueça.

adriano MIRANDA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s