O Guerreiro

Ele era um guerreiro destemido vencia mil soldados e um rei, a sua espada abria rasgos como farpas para sentir a liberdade de ser livre e tornar livres os prisioneiros do coração por quem o amor não tem paixão…e um dia uma batalha o chamou numa planície de abutres com sede de carne podre, onde o medo era o pano de fundo bem escuro na incerteza de algum dia ser dia, e o seu cavalo saltava a bom galope esmagando os medos e alimentando os corpos morrendo os abutres, e a luz voltava lentamente como uma tocha anémica distribuindo sorrisos e afectos aos rostos que agora se descobriam com olhos esbugalhados e mãos rudes com o guerreiro a levantar bem alto a sua espada perante o sol já forte que consumia o último abutre…o que estará depois da montanha? Um ninho…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s